Congresso > Programa

 

 

 

Programação

 

Baixe a programação

 

 

27 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

MANHÃ

CABEAMENTO ESTRUTURADO

Moderador: Paulo Sérgio Marin

9h00

Medições em campo de redes PON LAN segundo a norma IEC 61280-4-3

Jim Davis, Fluke Networks

Você acha que sabe tudo sobre redes PON? Ou já descobriu que ainda falta muito a aprender? Temos visto uma tendência em migrar redes LAN para uma estrutura em fibra, precisa entender melhor?

Esta palestra te ajudará realmente a entender como a nova Norma IEC 61280-4-3 pode diminuir seus problemas com infraestrutura e ativos. Como assegurar que as fibras óticas estão em boas condições para suportar uma rede PON; como fazer corretamente as inspeções e limpezas em fibra; cálculo de orçamento de perda incluindo os spliters; técnicas adequadas para fazer a medição de perda ótica e minimizar a incerteza, e no caso de problemas, como usar um OTDR da forma certa para determinar onde está o problema e como mitiga-lo.

9h45

A norma brasileira de caminhos e espaços para cabeamento estruturado

Cátia Silene dos Santos, Soon.Tech

Embora haja um grande avanço da tecnologia para acompanhar o ritmo da Transformação Digital, os projetos de cabeamento estruturado no Brasil continuam menosprezando o planejamento, definição e dimensionamento dos espaços e caminhos para distribuição de cabos, negligenciando a necessidade real dos usuários e possíveis expansões bem como comprometendo o desempenho da rede.

A ABNT NBR16415:2015 Norma brasileira de Caminhos e Espaços para cabeamento estruturado preenche uma lacuna quanto à orientação correta para o dimensionamento de projetos de cabeamento estruturado, estabelece os requisitos mínimos para projetistas e instaladores ao fornecer parâmetros para a definição de espaços e caminhos de distribuição de cabos dentro e entre edifícios visando uma adequada instalação, dentre outros temas.

10h30

Intervalo

11h00

Como contratar serviços e obter os resultados esperados

José Júlio Silveira Levy Júnior, Arqinstal

Serão apresentadas algumas das melhores práticas para auxiliar na contratação de serviços de infraestrutura de TIC, identificar etapas, conciliar aspectos técnicos, operacionais e econômicos envolvidos no processo, desde a preparação até a conclusão e aceitação final, com objetivo de obter o resultado esperado pelo cliente, e desta forma, minimizar riscos e desvios do objetivo do contrato.

11h45

O que é fato e o que é fake sobre técnicas e normalização

Paulo Sérgio Marin, PM Books

Algumas técnicas e tecnologias de redes vêm sendo implementadas em sistemas de cabeamento estruturado recentemente. Embora algumas delas não representem novidade real, há discussões acerca de potenciais problemas e cuidados que devem ser tomados nas fases de projeto e instalação do cabeamento. Esta apresentação tem como objetivo separar o que é fato do que é fake nesse universo de normalização e novas técnicas de implementação.

12h30

Almoço

27 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

TARDE

REDES ÓPTICAS

Moderador: José Maurício dos Santos Pinheiro

14h00

Considerações para projetos de redes ópticas

José Maurício dos Santos Pinheiro, Ratio Consultoria

Para que uma rede óptica seja eficaz e atenda às necessidades dos usuários, ela deve ser construída de acordo com as normas técnicas vigentes e segundo uma série de etapas planejadas independentemente do tamanho e do seu grau de complexidade. Outros fatores que devem ser considerados no projeto são os efeitos causados pelos diversos ambientes em que os equipamentos serão instalados, como: extremos de temperaturas, disponibilidade de fontes de energia compatíveis e espaço para organização adequada. Um bom projeto e a utilização de produtos homologados garantem qualidade da rede, alta disponibilidade do sinal e grande satisfação dos usuários, além de um ciclo de vida útil prolongado e com suporte a diversas tecnologias

14h45

Redes PON definidas por software

Ricardo Girnis Tombi, Poli-USP

As redes ópticas passivas (PON) são atualmente uma alternativa importante para as operadoras de telecomunicações como redes de acesso, pois podem oferecer grande capacidade de recursos aos usuários da Internet cujo tráfego cresce cada vez mais devido a aplicações como vídeos sob demanda e de alta definição, IoT, jogos interativos e VoIP. Entretanto a infraestrutura apresentada não possui a flexibilidade necessária para promover inovações rápidas e para provisionar novos recursos no tempo esperado que as aplicações atuais demandam. Apesar das evoluções tecnológicas das redes PON, o atendimento aos parâmetros de Qualidade de Serviço (QoS) ainda é um desafio. Dado este cenário, a proposta deste trabalho é apresentar uma nova arquitetura para redes PON por meio de controle SDN com algoritmo para alocação de banda baseado na aplicação da teoria da lógica Fuzzy.

15h30

Intervalo

16h00

Tecnologia de redes ópticas pré-conectorizadas – Novas soluções sob demanda

Guilherme Kirnew Benavides, Furukawa Electric LatAm

Novas soluções com o intuito de investir na construção da rede de forma saudável e inteligente são diariamente apresentadas e sempre bem-vindas no mercado de telecomunicações, principalmente no ramo de provedores de internet que hoje, se somados, já se destacam como a 4ª maior operadora de telecomunicações no Brasil. Além disto, visando também simplicidade e agilidade na instalação, criaram-se as soluções de “Investimento Sob Demanda” com sistemas pré-conectorizados para arquiteturas FTTH e FTTA, onde as principais vantagens são: baixo investimento inicial considerando “produtos + serviço”, complemento da rede sob demanda (invista conforme você cresça), flexibilidade de expansão (de forma rápida), facilidade de instalação, diminuição de custos de operação, sistema pré-conectorizados de fábrica (alta performance óptica), e por fim, economia no tempo de ativação do cliente. No Brasil, está previsto que o número de acessos de banda larga fixa em FTTH (HC – Homes Connected) triplicará nos próximos 4 anos, dos atuais 3mi para quase 9mi em 2022 (Fonte: IDATE). Para suportar esta taxa de crescimento, a tecnologia de infraestrutura de rede óptica deve mudar para um formato pré-conectorizado.

16h45

Redes ópticas no cenário de demanda exponencial de banda

Marco Antonio Scocco, Sterlite Conduspar

O crescimento exponencial do tráfego de dados mundial tem demandado redes com maior capacidade para prover conexões e serviços de banda ultra larga. Neste contexto, as redes ópticas FTTx desempenham um papel chave para atender estas expectativas e tem implicado em um crescimento também exponencial do consumo mundial de fibras ópticas. Serão abordadas as tendências das fibras e cabos ópticos e sua implicação na capacidade das redes para suportar a evolução das tecnologias DWDM, XGS-PON, NG-PON2, etc., bem como as implicações no investimento, custos operacionais, confiabilidade e longevidade da rede óptica.

17h30

Encerramento

 

 

27 DE AGOSTO – Sala Vila Guilherme

MANHÃ

PROTEÇÃO CONTRA SURTOS

Moderador: Hélio Eiji Sueta

9h00

Comportamento dinâmico de malhas de aterramento em altas frequências

Antônio Roberto Panicali, Proelco

Partindo-se de uma modelagem simples será analisado o comportamento de malhas de aterramento para a gama de frequências do espectro das descargas atmosféricas. Com base nessa abordagem o trabalho abordará a influência da frequência na medição das resistências de aterramento, feitas em frequências relativamente baixas (25 kHz): será mostrado que, dependendo das características do solo e configuração das malhas, erros de 500% ou maiores poderão ocorrer, com relação ao valor que seria representativo do comportamento em 60 Hz.

9h45

A especificação dos dispositivos de proteção contra surtos de sinal

Sergio Roberto Silva dos Santos, Lambda Consultoria

A proteção contra surtos precisa envolver todos os condutores metálicos, qualquer que seja a sua natureza. Em condutores normalmente energizados devem ser utilizados Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) na equipotencialização de linhas de energia e sinal. Muitos projetistas de instalações elétricas de baixa tensão ou de proteção contra descargas atmosféricas especificam os DPSs de energia, mas não os de sinal. O objetivo desta palestra é apresentar os pontos mais importantes da especificação de DPSs de sinal que não são necessários na especificação dos DPSs de energia. A palestra também pretende auxiliar profissionais da área de telecomunicações, automação e informática a compreender a importância da proteção contra surtos nas linhas de sinal, permitindo uma maior interação entre profissionais com diferentes responsabilidades.

10h30

Intervalo

SEGURANÇA ELETRÔNICA E CONTROLE DE ACESSO

Moderador: Rosendo Correa Perez

11h00

Soluções de segurança e controle de acesso na era da IoT

José Antonio Torelli Bolota, ABLOY

Na era da comunicação onde as conexões são sem fios, bancos de dados “sem limites” e a mobilidade é uma necessidade. Os sistemas de controle de acesso devem acompanhar estas tendências. Devemos ter um sistema onde o banco de dados está na nuvem, a comunicação é sem fio e os dispositivos de controle não possuem cabos. Como proporcionar um sistema de controle de acesso para centenas ou milhares de pontos, com alta segurança, resistência e capazes de proteger ambientes críticos?

11h45

Como tornar seu sistema de vídeo IP mais eficiente com AI

Paulo Ramon Ramos, Hikvision

Introdução sobre a história da inteligência artificial, e o que é deep learning, soluções de inteligência artificial aplicada para cidades inteligentes com reconhecimento facial, inteligência artificial para tornar o varejo e bancos mais seguros e eficientes, soluções de inteligência artificial para monitoramento de rodovias e analise comportamental de motoristas, soluções de inteligência artificial para monitoramento de perímetros.

12h30

Almoço

27 DE AGOSTO – Sala Vila Guilherme

TARDE

WIRELESS

Moderador: Rosendo Correa Perez

14h00

Uma visão sobre Wi-Fi 6, 5G e IoT

Thiago Arantes, Aruba Networks

A palestra falará sobre as tecnologias de conectividade que estão batendo à porta, quais as diferenças e vantagens do novo padrão wireless 802.11ax (Wi-Fi 6), quais as mudanças e como isso interfere nas comunicações sem fio? O que é 5G? Qual o impacto dessa nova geração de transmissão e onde esse tema se une com Wi-Fi e IoT.

SEGURANÇA DE REDES

Moderador: Rosendo Correa Perez

14h45

Tratamento de DDoS

Adenilson Boccato de Almeida, Locaweb

Tendo em vista o grande aumento das redes de computadores e comunicação o DDoS passou a ser um grande desafio para os profissionais de segurança da informação. A palestra apresentará os conceitos principais, tipos e boas práticas desse tipo de ataque.

15h30

Intervalo

16h00

Lei geral de proteção de dados no Brasil

Ricardo Andrian Capozzi, Faculdade Carlos Drummond de Andrade

Por se tratar de uma lei que visa regular o uso de dados pessoais, a nova lei geral de proteção de dados versa sobre à privacidade dos titulares dos dados e estabelece regras claras para as empresas sobre tratamento de dados pessoais, aumentando, assim, a segurança jurídica de todos os envolvidos. Isto causará impacto para relativa adequação dos ambientes de T.I e a forma como estes dados serão tratados até seu descarte adequado. Negócios, Legal, Compliance e TI precisão trabalhar alinhados para a correta divisão das novas responsabilidades, que se iniciará em fevereiro de 2020.

16h45

Como se proteger contra os ataques de Ransomware

Danilo Mendonça Cabreira, RJ Network

A visão tradicional de segurança da informação não é mais tão eficiente contra as novas ameaças. O mercado brasileiro prevê um investimento de quase 700 milhões de dólares em soluções de próxima geração para segurança da informação, um crescimento de 2,5 vezes em relação as soluções tradicionais. Para conseguir se adaptar aos tipos de ameaças, as novas soluções estão utilizando recursos de inteligência artificial e gerenciamento em nuvem para deixar os produtos mais inteligentes e escaláveis. Como criar um modelo minimamente seguro para se proteger destas ameaças?

17h30

Encerramento

 

 

28 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

MANHÃ

INFRAESTRUTURA PARA DATA CENTERS

Moderador: Paulo Sérgio Marin

9h00

Evolução do cabeamento óptico em data centers

Gilberto Gonzaga, Corning Brasil

Os data centers seguem ditando a necessidade de aumento das velocidades de transmissão de dados no mercado corporativo: 1, 10, 40, 100, 200 e 400 Gpbs. Qual a infraestrutura de cabeamento óptica para o futuro? Uma apresentação sobre a evolução da tecnologia dos equipamentos e dos protocolos de transmissão de dados até os dias atuais e a expectativa da contínua evolução.

9h45

Como enfrentar os desafios de um moving de data center

Henrique Marcelino Cassol, TRF4 - Tribunal Regional Federal da 4ª Região

Um Data Center é um ambiente de missão crítica. Fazer um moving é um empreendimento crucial para a empresa. E é sempre um projeto único, porque mesmo que a empresa já tenha passado por uma ou outra mudança de instalações, a tecnologia muda, os equipamentos são diferentes, possivelmente as pessoas não são as mesmas e, é claro, a origem e o destino não são os mesmos. E, ainda, a organização é muito mais dependente de seus serviços de TI do que era anteriormente. Sendo um evento único e fundamental, é indispensável preparar-se adequadamente. Como se enfrenta esse desafio, de maneira a minimizar os riscos, os custos e o downtime?

10h30

Intervalo

11h00

Eficiência energética em data centers e o uso de energia fotovoltaica

Sinara Augusta Borges Campos, Almeida França Engenharia

Atualmente, o mercado de data centers é responsável pelo consumo de mais de 2% da energia elétrica global. E a maioria dos data centers em operação têm consumo de energia ineficiente, o que pode ser melhorado com ações de retrofit de equipamentos e de infraestrutura, uso racional de técnicas e sistemas de refrigeração mais eficazes, virtualização dos servidores e utilização de servidores mais modernos. Uma solução inovadora apresentada na palestra é a combinação do método de free cooling com a implantação de sistemas de energia fotovoltaica para ganho de eficiência energética em data centers.

11h45

Facilidades e desafios de uma solução hiperconvergente

Zilmar de Souza Junior, TRE-Paraná

A área de projeto, operação e serviços de datacenters é um dos principais alicerces da evolução tecnológica atualmente, pois através dos milhares de datacenters espalhados pelo globo, uma gigantesca quantidade de dados é processada diariamente, consolidando transações financeiras, cálculos científicos, interações sociais e diversas outras atividades. Naturalmente, o número de abordagens para definição de sua infraestrutura é diverso. A palestra apresenta as facilidades e desafios de uma dessas abordagens, conhecida como hiperconvergência que provê a virtualização ao agregar diferentes camadas do datacenter em uma. Com alta escalabilidade, poder de processamento e armazenamento, essa solução busca suprir as necessidades do datacenter moderno, com gerência facilitada e crescimento que acompanha o negócio.

12h30

Almoço

28 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

TARDE

INFRAESTRUTURA PARA DATA CENTERS

Moderador: Paulo Sérgio Marin

14h00

Os benefícios da utilização de IoT no monitoramento da infraestrutura

Christiano Gonçalves Finamore, Nano Automation

Um dos temas mais quentes da atualidade é a Internet das Coisas. Quase todas as empresas de tecnologia, de alguma forma, usam o termo para definir um de seus produtos ou apresentar alguma de suas soluções. A apresentação explicará as mais diversas definições do que é a Internet das Coisas, as vantagens e desvantagens de suas diferentes arquiteturas e o que deve ser levado em consideração no monitoramento da infraestrutura de Data Centers com soluções de IoT.

14h45

MEC: Multi-access Edge Computing - Caso de uso com UCaaS para provedores

Claudio Roberto Bertoldo Junior, Redera Technologies

A computação na borda de acesso múltiplo (MEC) introduz um novo modelo de negócio no contexto de computação em nuvem, trazendo para próximo do usuário final novos serviços que exigem largura de banda, baixa latência e um número reduzido de pontos de falhas. Nesta palestra serão apresentadas as comunicações unificadas como serviço (UCaaS) como caso de uso da MEC pelos ISPs tendo em vista a introdução de uma nova solução para os seus clientes corporativos, possibilitando aos provedores maior geração de receita e consequentemente maior ARPU (Receita Média por Cliente), agregando valor aos serviços convencionais, tais como o acesso propriamente dito e a telefonia.

15h30

Intervalo

16h00

Os erros mais comuns em projetos de pequenos e médios data centers

Luis Valério Tossi Silva, LT Consult e Indio Chagas Lúcio, Clemar

A palestra apresenta alguns dos erros mais comuns em projetos de novos ou de reforma de pequenos e médios data centers. Serão apresentados erros que se tornam repetitivos em vários projetos de data centers, que podem e devem ser evitados. Os casos são baseados em fatos reais observados nos últimos anos, e quais ações devem ser adotadas para sanar estes erros.

16h45

Boas práticas de manutenção e operação

Paulo Sérgio Marin, PM Books

Não é novidade que atenção especial seja dada ao projeto da infraestrutura de um data center. Por se tratar de um ambiente de missão crítica, todo cuidado é pouco, pois a garantia de sua disponibilidade projetada é de suma importância para o sucesso do empreendimento. No entanto, mais, ou tão importante quanto, um bom projeto, são as práticas de operação e manutenção adotadas. Esta apresentação tem como objetivo discutir as boas práticas de operação e manutenção de data centers, passando pelo projeto, equipes profissionais, requisitos de capacitação, normalização técnica, entre outros aspectos.

17h30

Encerramento

 

 

28 DE AGOSTO – Sala Vila Guilherme

MANHÃ

PROVEDORES DE INTERNET

Moderador: José Mauricio dos Santos Pinheiro

9h00

Gerenciamento remoto automatizado de Point Of Presence - GPOP

Eduardo Belotto Gonçalves, TSI Automação

Apresentação dos princípios de funcionamento de um POP; Problemas de gerenciamento de um POP; Importância da automação de informações para a resolução desses problemas; Vantagens técnicas e financeiras no uso do GPOP; Comparativo custo-benefício; Substituição gradual dos POPs; Necessidades técnicas para que a substituição seja rentável e sustentável; Gerenciador automático para fibra óptica.

9h45

Como reduzir custos e aumentar a eficiência de sua rede com a Engenharia de Tráfego

Marcio Vidal, Everest Ridge

A Engenharia de tráfego estuda o comportamento do tráfego comutado na rede, visando proporcionar a movimentação segura, eficiente e conveniente dos dados, garantindo performance e qualidade. A palestra vai mostrar como essa disciplina pode auxiliar no conhecimento da rede, Capacity Planning, simulação de falhas, posicionamento de recurso e na prevenção de congestionamentos, além de estudos de casos.

10h30

Intervalo

11h00

Planejamento de redes ópticas: da entrega do link até o cliente

Jorge Alberto Santos Morgado, Conectt Telecom

Tema que aborda a definição cronológica do provedor do Link até o cliente; Definição do tipo de projeto, regularização, compartilhamento de infra estrutura, projeto de tecnologia, utilização da ferramenta Google Earth; Realização de contrato e apresentação de projetos junto a concessionária local; Tecnologia aplicada, analisando mercado e concorrência local; Definição da área e a taxa de penetração; Planilha dos custos; Buscar novos fornecedores; Avaliação da qualidade dos materiais e ferragens; Contratação ou aplicação da mão de obra na construção da rede; Aplicação do termo de aceite da rede construída antes de introduzir o cliente na base; Inclusão de recursos de uma equipe de vendas; Especialização da equipe de manutenção, implantação através de treinamento.

11h45

Como reduzir os cancelamentos surpreendendo os clientes no seu ISP

Nicolas Pinheiro Bueno, INB - Instituto Nicolas Bueno

A maior parte dos provedores de internet têm entre 30% e 40% de todos os seus clientes nos planos mais baratos. Isso reduz muito o ticket médio do ISP bem como sua lucratividade. Nessa palestra muito prática, vamos analisar como mostrar para os clientes que os planos que valem mais à pena para eles não são os mais baratos. Nosso objetivo é ajudar seu provedor a dobrar seus upgrades mensais em até 60 dias bem como facilitar muito a venda dos seus planos mais caros para novos clientes.

12h30

Almoço

28 DE AGOSTO – Sala Vila Guilherme

TARDE

PROVEDORES DE INTERNET

Moderador: José Maurício dos Santos Pinheiro

14h00

Programa por uma Internet mais segura: o futuro da rede depende de sua segurança

Gilberto Zorello, NIC.br

A segurança é fundamental para garantir o futuro da Internet, para que ela possa continuar sendo aberta e diversa e cresça com os modelos de negócios atuais e novos modelos que utilizarão novas tecnologias de maneira confiável. Os principais problemas de segurança que afetam operadoras, ISPs e toda a Internet, como ataques DDoS, sequestro de blocos IP, entre outros, podem ser resolvidos com a utilização de boas práticas operacionais simples e de baixo custo.O NIC.br está incentivando os provedores de Internet e outros Sistemas Autônomos a utilizarem estas boas práticas, que podem solucionar a maioria dos problemas, se implantadas por todos. Por exemplo, as ações propostas na iniciativa MANRS (Mutually Agreed Norms for Routing Security), apoiada pela Internet Society.

14h45

Mercado de OTT e as oportunidades de conteúdos para o provedor de Internet

David Nagib, Viacom

A palestra abordará a transformação do mercado do conteúdo de vídeo e os novos formatos de entrega.

15h30

Intervalo

16h00

SLA - Service Level Agreement Model Canvas

Gianfranco Muncinelli, Muncinelli Consultoria e Treinamento

As estratégias chamadas de “canvas” trazem um componente de comunicação visual necessária para a cocriação e entendimento dos envolvidos a respeito do problema em questão. Entendimento este, tão necessário durante o permanente desafio para a solução de problemas com equipes multi e transdisciplinares. Um acordo de nível de serviço (SLA) entre o provedor do serviço e seu cliente quantifica a qualidade mínima do serviço a ser fornecido. Este acordo é negociado e envolve uma compreensão das necessidades e restrições de cada lado, resultando em um compromisso assinado. Métricas devem ser definidas e decididas por ambas as partes do SLA, que representem a qualidade do serviço a ser entregue. A palestra propõe um modelo de concepção preliminar dos parâmetros que constituem um acordo de nível de serviço, sendo ponto de partida para demais documentos que constam do acordo de nível de serviço.

16h45

Valuation, fusões e aquisições: como se preparar?

Droander Martins, IPv7 e Vispe Capital

A globalização, que no Brasil aportou nos anos 90, trouxe os efeitos da internacionalização produtiva, financeira e econômica. Diante disso, as empresas começaram a reagir rapidamente para não perder mercado e principalmente competitividade. Nasce então a área de Fusões e Aquisições (M&A - Mergers and Acquisitions), fruto dessa Globalização, passando a ser objeto de atenção de muitas organizações. Nesse cenário, empresas começaram a ser avaliadas (Valuation) e analisadas como alternativas de investimento. Na gestão estratégica, as fusões e aquisições podem permitir que empresas cresçam e mudem a natureza de seus negócios e/ou seu posicionamento competitivo. Você está se preparando para esse momento?

17h30

Encerramento

 

 

29 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

MANHÃ

REDES INDUSTRIAIS

Moderador: Rosendo Correa Perez

9h00

A indústria 4.0 e a aplicação do Protocolo Ethernet

Victor Peck do Amaral, Furukawa Electric LatAm

Um dos grandes desafios de aplicar os conceitos base da indústria 4.0, está na limitação tecnológica do parque industrial ou muitas vezes no alto investimento necessário para entrar nessa quarta onda de desenvolvimento de um novo ecossistema de informações. Porém, ao projetar uma rede confiável e robusta, com base a Ethernet, a fim de interconectar a cadeia produtiva, mesmo que utilizem dispositivos de diferentes gerações, os benefícios são percebidos desde o início da aplicação de seus pilares. Como protocolo padrão, a aplicação do Ethernet na indústria já está consolidada na maioria das empresas, mas é necessário compreendermos que a Ethernet Industrial possui características especificas para o chão de fábrica, onde as principais normas de cabeamento estruturado devem ser levadas em consideração, a fim de evitar problemas futuros com aumento do trafego de informações e permanecer em constante evolução do parque industrial.

9h45

Indústria 4.0 – O desafio da conectividade no chão de fábrica

Rosendo Correa Perez, Mobwin Consultoria

A quarta revolução industrial com o conceito da Indústria 4.0, se solidifica através de inovações tecnológicas, abrangendo inúmeras áreas tais como inteligência artificial, robótica, internet das coisas (IoTs), impressão em 3D, nanotecnologia, biotecnologia, armazenamento de dados em larga escala (BigData), armazenamento de energia e altas taxas de transmissão com a computação quântica. Por serem tecnologias tão diferencias o chão de fábrica deve também se reinventar para fornecer a conectividade plena na velocidade da luz. O objetivo desta palestra é apontar soluções técnicas de conectividade segura no chão de fábrica, garantindo uma infraestrutura totalmente imune a ataques cibernéticos, provendo a conectividade com o transporte transparente entre todos os elementos que compõe as peças de construção da Indústria 4.0.

10h30

Intervalo

11h00

Rede sem fio: estudo comparativo dos protocolos Bluetooth e ZigBee aplicados em ambientes industriais

André Lisboa da Conceição Junior, Talawa

11h45

Evolução das velocidades Ethernet de 100G a 400G

Tiago Carrijo Setti, NuiTec Consultoria

A palestra abordará as evoluções de velocidade do protocolo Ethernet definido pelo IEEE, incluindo as velocidades já padronizadas como 100G e 400G, passando pelas interfaces intermediárias como 2.5G/25G/50G e 200G. Serão detalhadas as principais funcionalidades e tecnologias que permitiram essa padronização bem como os componentes que são utilizados nas interfaces e módulos, trazendo as novidades de formato físico OSFP e QSFP-DD e como a indústria tem se preparado para atender a demanda. Por fim, será apresentado um "roadmap" com as prováveis evoluções da tecnologia, novos formatos físicos e velocidades do protocolo Ethernet.

12h30

Almoço

29 DE AGOSTO – Sala Jaçanã 1

TARDE

IoT – INTERNET DAS COISAS

Moderador: Celso Luiz Pereira Mendes

14h00

Disrupção fractal e integração de tecnologias disruptivas (SOA, IoT, NFV, IA, Blockchain e Cloud Computing)

Antônio Marcos Alberti, Inatel

Na palestra serão abordadas diversas disrupções tecnológicas e sua convergência. Como tirar valor de tudo isso? Será apresentado uma proposta de arquitetura convergente que integre essas tecnologias e também como seria colocar essa integração no core de uma nova Internet, destacando a arquitetura de redes convergentes NovaGenesis.

14h45

IoTs – Como construir uma Infraestrutura segura para a conectividade das coisas?

Rosendo Correa Perez, Mobwin Consultoria

Neste momento, ABDI e Inmetro estão preparando no campus do INMETRO em Xerém-RJ toda uma infraestrutura para conectividade e testes de IoTs, incluindo uma rede de telecomunicações segura e capacidade de armazenamento de dados dos testes efetuados nos IoTs (BigData), para armazenamento dos testes de resiliência dos IoTs a ataques cibernéticos. Os resultados irão definir se um determinado IoT, de um determinado fabricante, cumpre ou não com os requisitos exigidos em termos de segurança cibernética, para o ambiente de Cidades Inteligentes. Toda tecnologia de IoTs instalada, vai passar por uma classificação de riscos e têm a ver com o risco de vida. As perguntas norteadoras são: “Caso a tecnologia do IoT falhe, ela coloca vidas em risco ou não?”; “Em caso de um ataque cibernético, a tecnologia está preparada para diminuir ou mitigar os estragos produzidos?”. Após os testes e análises pelas equipes da ABDI/Inmetro, será emitido um certificado ao fabricante do IoT, aprovando ou não o uso deste IoT em projetos de Cidades Inteligentes.

15h30

Intervalo

16h00

Projeto SWAMP – IoT aplicada na otimização de recursos hídricos no agronegócio

Rodrigo Filev Maia, Centro Universitário FEI

O projeto SWAMP (Smart Water Management Platform) é desenvolvido em parceria entre instituições brasileiras e europeias no âmbito do programa Horizon 2020 (IoT Pilots call). O objetivo do projeto é desenvolver uma plataforma IoT para otimização de recursos hídricos na agricultura, já que esta consome aproximadamente 70% dos recursos hídricos anualmente. Nesta palestra será apresentada a arquitetura da plataforma, os pilotos do projeto onde a plataforma está sendo aplicada, os resultados obtidos e os impactos esperados no agronegócio.

16h45

Universo IoT: mais que um conceito, uma necessidade

Fernando César Morellato, IPv7

A palestra realiza uma introdução ao conceito de IoT, sua origem histórica e aplicações. Aborda alguns conceitos de conectividade para construção desse tipo de estrutura e a importância dessa tecnologia no contexto atual. Uma tendência que já é realidade e que vai mudar significativamente nossas vidas. O IoT está diretamente relacionado com a própria mudança do perfil do consumidor, hiperconectado.

17h30

Encerramento

 

 

29 DE AGOSTO – Sala Vila Guilherme

1º WORKSHOP RTI DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

Programação em breve

Data de atualização: 24/05